SEMPRE EM PÉ

São escadas que sobem para baixo. Ideias súbitas que me consomem. Sigo na gravidade da presunsão. Serei um quasar brilhante. Um buraco negro. Saberei cair na depressão? Adoro velocidade. Adrenalina de ser. Vertigem de subir. Subo ao cair. Serei uma espiral efervesceste? Um manifesto divino, mortal consagrado? Porque subir é descer para cima, acredito que descer é subir para baixo.

5 comentários:

Selena Sartorelo disse...

Olá Jorge,

O dever de entender o alcance de não ser. O sem sentido de todo saber, o poder do conhecimento ter. Uma íngreme ascensão. Um despencar perdido em desfiladeiros da regressão, a grande evolução.
A lúcides da própria demência que imagina o que pensa.
E respondendo a laranja questão a minha resposta é não. Sem senso e com muito boa interação.

beijos

Eduardo P.L disse...

Havia notado que em Nenhures, muito inteligentemente construíiram escadas de pedra que só sobem, ao lado de outras, que só descem! Os metros de NY copiaram, à exemplo das escadas rolantes, que uma só serve para subir e outra para descer.

expressodalinha disse...

Escadas para baixo de descem paa cima.

Lizete Vicari disse...

Prefiro as de Nenhures!
As rolantes são uma porcaria, é só subir o primeiro degrau que, ela te leva para cima.
Se tu desce o primeiro degrau ela te leva para baixo.
Em Nenhures a gente só sobe ou desce se quiser.

expressodalinha disse...

STFSBJDSPUHN,IYGASFJBDFESP9H.